Quarentena “classe alta” defendida por Vera Magalhães é uma afronta.

0
1362
Vera Magalhães

Vera Magalhães diz : Não ponho o pé na rua há semanas. Leio, aproveito meu pacote da Netflix, experimento receitas, até comecei a pintar. Exercito-me na esteira da sala. Peço tudo por aplicativo. Você, não confinado, sabota meus sacrifícios, espalhando o vírus. Devo qualificá-lo como antissocial.

As classes C, D e E somam 199 MILHÕES de brasileiros.

É gente que não tem fundo de reserva, não tem poupança. São pais e mães de família que, todos os dias, têm que sair pra trabalhar (formal ou informalmente), pra comprar a comida do dia seguinte.

Não têm esteira na sala, não têm dinheiro para telas e tintas, não têm pacote de streaming e não podem se dar ao luxo de pedir comida por aplicativo. Cozinham em casa, levam marmita para o trabalho. Restaurante é luxo, para datas comemorativas.

Na “Torre de Marfim”, tudo é diferente. Os “intelectuais” vivem em seus próprios mundos, desvinculados destas preocupações práticas do dia a dia. “Fiquem em casa”, eles dizem, enquanto se exercitam em suas salas, onde caberiam dois apartamentos populares.

São preocupadíssimos com o “social” e defendem, com afinco, a esquerda populista; mas estão há tanto tempo sem cumprimentar o porteiro, sem olhar na cara do garçom, sem dar um bom dia para o manobrista, que esqueceram que trabalhador também é gente.

Se lembrassem, provavelmente a ilustríssima jornalista não taxaria como “antissociais” aqueles que estão lhe proporcionando o conforto do isolamento.

Suas telas, tintas e encomendas de comida não chegaram sozinhas à sua casa. O lixo que ela produz também não vai embora caminhando; nem a energia elétrica, para aproveitar sua Netflix e fazer funcionar sua esteira, é gerada através de mágica.

O descolamento da realidade não é exclusividade da entrevistadora do “Roda Vida”. Quem não se lembra, há poucos dias, daquela atriz global, no Instagram, pedindo para que seus seguidores ficassem em casa, enquanto, ao fundo, sua empregada doméstica trabalhava?

O grande problema é que essas pessoas, que não fazem o próprio supermercado, que não sabem quanto custa encher o carrinho para a compra do mês, são as “influenciadoras das massas”.

Postam em suas redes que “dinheiro não vale mais do que a vida”, enquanto bebem vinhos finos e comem canapés; ignorando o fato que a fome também mata (e mais do que o vírus).

Defender a quarentena, agora, é “cool”. E qualquer um que discorde é um “fascista”, que não valoriza o próximo.

O estranho é que estes “intelectuais” ficaram em silêncio por mais de uma década, quando 166 brasileiros, em média, morriam todos os dias, vítimas da violência urbana.

Defendiam fervorosamente, aliás, o desarmamento civil; tirando do povo a única chance de defesa, enquanto eram escoltados por seguranças armados.

Ignoram, também, a estimativa de que 50.000 pessoas, em nosso país, estão tendo seus diagnósticos de câncer atrasados pela pandemia. Uma doença que, sabidamente, tem no diagnóstico precoce um fator determinante para a cura.

Desconhecem, ou fingem desconhecer estudos de institutos sérios, como University of Chicago, Oxford, Sorbonne, London City Hall e U.S Bureau of Economic Analysis, que relatam a causalidade entre queda do PIB e aumento de mortes. Não por acaso, nos países mais desenvolvidos a expectativa de vida é tão maior.

A dura custas, em 2019, criamos 800.000 novos empregos. Em 30 dias, extinguimos 9 milhões; que se somarão aos 11 milhões de desempregados que já tínhamos. 20% dos brasileiros em idade produtiva estão fora do mercado. Isso se traduz em um aumento exponencial de violência urbana, violência doméstica, alcoolismo, uso de drogas, depressão, suicídios, doenças cardíacas, entre tantas outras consequências letais.

Estes “comunicadores”, que aplaudem o totalitarismo dos prefeitos e governadores contra o povo, são os mesmos que berrariam mais do que bezerros desmamados, se o governo sequer cogitasse a possibilidade de restringir a liberdade de imprensa.

Não se iludam que estão preocupados com o bem estar de qualquer pessoa, senão deles próprios. As “medidas sanitárias”, que tanto apoiam, há muito já deixaram de ser uma questão de saúde e se transformaram em uma questão de CONTROLE.

LAVEM AS MÃOS E ABRAM OS OLHOS.

“É divertidíssima a esquizofrenia de nossos artistas e intelectuais de esquerda: admiram o socialismo de Fidel Castro, mas adoram também três coisas que só o capitalismo sabe dar – bons cachês em moeda forte; ausência de censura e consumismo burguês; trata-se de filhos de Marx numa transa adúltera com a Coca-Cola.” (CAMPOS, Roberto)

Felipe Fiamenghi

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui