More

    O Gramscismo e os seus principais agentes no Brasil

    Antonio Gramsci, nascido na Itália, é um dos maiores responsáveis pelo processo de completa degeneração moral verificado no Brasil, embora muitos sequer tenham ouvido falar em seu nome. Foi membro-fundador e secretário-geral do Partido Comunista da Itália, acabou sendo preso por ação de Mussolini em 1926, o que não o impediu de escrever suas notas, que saíam da prisão por intermédio de sua cunhada, funcionária da embaixada soviética em Roma. Notas que viriam a se tornar a bíblia da estratégia revolucionária.

    Gramsci ficou meditando na cadeia. Mussolini, que o mandara prender, acreditava estar prestando um serviço ao mundo com o silêncio que impunha àquele cérebro que julgava temível. Aconteceu que, no silêncio do cárcere, o referido cérebro não parou de funcionar; apenas germinou ideias que dificilmente lhe teriam ocorrido na agitação das ruas. Gramsci transformou a estratégia comunista, de um grosso amálgama de retórica e força bruta, numa delicada orquestração de influências sutis, penetrante como a Programação Neurolinguística (Olavo de Carvalho, 1994).

    Marxista, Gramsci foi o responsável por unir Maquiavel e Marx em uma só doutrina. Ele ensinou que, para o marxismo triunfar, deve haver uma abdicação do radicalismo ostensivo a fim de ampliar a margem de alianças. Ensinou que a zona mais profunda da sabotagem psicológica deve prevalecer em relação ao combate político direto. Ensinou, principalmente, que é mais importante dizimar as bases morais e culturais do adversário do que ganhar votos.

    Chegou à referida conclusão ao analisar a postura do governo russo para implementação do comunismo e logo percebeu que algo havia de errado. As massas, predominantemente religiosas e conservadoras, ofereciam resistência ao plano revolucionário que estava sendo imposto, eternizando a etapa de transição, a ditadura do proletariado, e impedindo o advento, de fato, do comunismo.

    Para contornar essa dificuldade, seria necessário o adestramento do povo durante a vigência do capitalismo. Assim, com o advento do comunismo, não existiria resistência e todos aceitariam de bom grado um regime que rompesse com valores até pouco tempo considerados sacros pela população.

    Em suas notas, escritas durante o tempo em que esteve preso, dois termos eram sempre diferenciados: poder e hegemonia. Poder é “o domínio sobre o aparelho de Estado, sobre a administração, o exército e a polícia”, enquanto hegemonia é “o domínio psicológico sobre a multidão”. Daí a característica essencial do Gramscismo: o poder fundado numa hegemonia prévia, absoluto e incontestável, diferindo bastante das estratégias adotadas por Lenin, em que o controle deveria ser conquistado meramente pelo uso da força.

    Resultado de imagem para gramscismo

    Gramsci ensina que está em jogo um terreno mais profundo que o confronto ideológico: o senso comum, dominado por automatismos mentais, representando hábitos inconscientes por parte da população e originando modelos padronizados de reagir às situações. Observou que o senso comum do povo é constituído de uma verdadeira “suruba ideológica”.

    É muito comum encontrar, mesmo atualmente, pessoas que defendem interesses de grupos ideológicos opostos. Por exemplo: um socialista que possui hábito de ir à Igreja e não percebe a enorme contradição deste fato. Gramsci pretendia reformar o senso comum, de tal forma que as pessoas passassem a ser coerentes com o interesse de classe respectivo.

    Não basta derrotar a ideologia expressa da burguesia, era preciso extirpar, junto com ela, todos os valores e princípios herdados de civilizações anteriores, que de algum modo incorporou e que se encontram hoje no fundo do senso comum. Trata-se, enfim, de uma gigantesca operação de lavagem cerebral visando apagar da mentalidade popular, e sobretudo do fundo inconsciente do senso comum, toda a herança moral e cultural da humanidade, para substituí-la por princípios radicalmente novos, fundados no historicismo absoluto. Uma operação dessa envergadura transcende infinitamente o plano de mera pregação revolucionária e abrange mutações psicológicas de imensa profundidade.

    Como executar uma alteração drástica no senso comum e obter a tão sonhada hegemonia? Gramsci enxerga que a peça principal do seu método é o agente intelectual. Mas o intelectual, no sentido gramsciano, não é apenas o filósofo, o historiador e o cientista. Jornalistas, funcionários dos correios, locutores esportivos, cineastas, músicos e até mesmo humoristas podem ser tão intelectuais quanto, basta que contribuam para a panfletagem ideológica e influenciem a maior quantidade de pessoas possível. O que está em jogo não é a busca pelo conhecimento e o compromisso com a verdade, mas tão somente a contribuição com a primeira e mais decisiva etapa da estratégia.

    Um intelectual academicamente rígido e um agitador notório pouco possuem importância para a revolução gramsciana. Um jornalista discreto, que não se posiciona explicitamente e vai mudando delicadamente o teor do noticiário, e um cineasta cujos filmes não propõem qualquer mensagem política ostensiva, certamente executam muito melhor a função de penetrar fundo no imaginário popular. Desta maneira é formada a tropa de elite do exército gramsciano, que introduz gradualmente novos sentimentos à população.

    Confira exemplos do Gramscismo em ação no Brasil:

    O aborto é uma das maiores pautas da esquerda revolucionária, que através de veículos influentes, sempre divulga dados falsos. Conforme o DataSus, o número de abortos clandestinos é de aproximadamente 100 mil ao ano, enquanto o número de mortes não passa de 44. Os dados da matéria foram completamente inflacionados.

    Há uma tendência midiática em sempre associar qualquer tipo de atrocidade à “extrema-direita”, uma estratégia para adestrar a população e transferir a culpa dos atos sempre para uma abstração inexistente. O indivíduo em questão era um neonazista, portanto, posicionado no espectro político da esquerda.

    Ao perceber a ascensão do candidato Jair Bolsonaro, a grande mídia faz de tudo para evitar citá-lo positivamente, com manobras sórdidas a fim de apagá-lo do imaginário popular.

    Exemplos de agentes do Gramscismo:

    Resultado de imagem para juninho pernambucano esquerdista

    Juninho Pernambucano, ex-jogador de futebol e jornalista esportivo, usa de sua popularidade para influenciar politicamente os jovens. O Twitter é a sua principal arma.

    Resultado de imagem para tico santa cruz

    Tico Santa Cruz é vocalista da banda Detonautas, que fez bastante sucesso nos anos 90. Entretanto, atualmente é mais conhecido por seu desconhecimento sobre ciência política básica e por suas controversas opiniões que faz questão de expor sempre que tem oportunidade. É defensor assíduo do PT, do desarmamento e da estatização. O Facebook é a sua principal arma.

    Resultado de imagem para gregorio duvivier

    Gregório Duvivier é humorista e “isentão”, um dos tipos de agentes mais perigosos. Notabilizou-se por defender políticos criminosos como Lula e Dilma, pautas como aborto e drogas e movimentos “sociais” como o MST. Entretanto, Duvivier se autodenomina “independente” e continua a influenciar os jovens.

    Dentro dos grupos de debates políticos, o principal agente gramscista é o movimento Livres, antiga ala do PSL. É menos influente que os demais, mas possui o importante papel de capturar os jovens liberais para o establishment através de uma panfletagem progressista barata.

    Vale ressaltar, por último, que o rigor dogmático presente no Gramscismo é muito inferior ao de todas as outras correntes marxistas ante sua preocupação meramente disseminativa: qualquer obra ou pessoa pode contribuir para a propagação dos cacoetes revolucionários. Títulos distorcidos propositalmente; omissão de informações em textos jornalísticos; matérias unidas com outras cujo efeito de conjunto proporciona um novo sentido. Tudo isso é válido, pois os fins justificam os meios.

    Embora o número de autodeclarados gramscistas não seja grande (Gilberto Dimenstein, jornalista e dono da Catraca Livre, foi um dos poucos a citar Gramsci nominalmente, na Folha de São Paulo, em 1997), são necessários poucos dias no Brasil para presenciar tamanha a devastação causada pela ideologia. Pessoas que jamais ouviram falar em Antonio Gramsci reproduzem cacoetes mentais dos mais tenebrosos, isto que gramscismo não é um partido político e não necessita de eleitores fiéis. O gramscismo coloca o indivíduo numa posição de colaboração em favor da ideologia, sem que disto o colaborador tenha a menor consciência.

    Adolescentes que mal saíram do ensino fundamental repetem “Fora, Temer”, sem que de política tenham a menor consciência. Jovens histéricos repetem “nenhum direito a menos” ao falar sobre a PEC 55, sem que de finanças públicas tenham o menor conhecimento. Estudantes de humanas das universidades federais propagam vulgaridades filosóficas como “nada é errado se te faz feliz” e “não existem verdades absolutas”. Todos comportamentos absolutamente automáticos e previsíveis, meros automatismos mentais impregnados da forma mais sórdida possível.

    Takamoto
    Takamoto
    Blogueiro, fotojornalista, artista marcial, ex-militar, perito/investigador criminal.

    Últimas Notícias

    Notícias Relacionadas

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui